quinta-feira, 7 de julho de 2016

Resolução do TJRN amplia licença-paternidade de servidores e magistrados para 20 dias.

O Pleno do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte aprovou durante a sessão desta quarta-feira (6) Resolução que regulamenta a concessão de licença-paternidade a membros e servidores do Judiciário Potiguar. Na Resolução nº 16/2016 fica definido que nos casos de nascimento, adoção ou guarda judicial para fins de adoção, os servidores e magistrados terão 20 dias de licença. Anteriormente esse período era de cinco dias.

A decisão do TJRN vem após liminar do Conselho Nacional de Justiça que reconheceu a possibilidade de ampliar a licença-paternidade a juízes e servidores com base nos direitos dos trabalhadores e na importância das políticas públicas voltadas à proteção da primeira infância. A liminar foi dada em um pedido de providências formulado pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra).

A importância do genitor durante os primeiros dias de uma criança também é levada em conta pela resolução que destaca o papel do pai no auxílio em tempo integral durante os primeiros meses de vida.

A resolução do Tribunal também leva em conta a Lei nº 13.257/2016 que estabelece princípios e diretrizes para a formulação e a implementação de políticas públicas para primeira infância, período que abrange os seis primeiros anos da criança.

Além disso, considera que a prioridade absoluta em assegurar os direitos da criança implica no dever do Estado de estabelecer políticas públicas, planos, programas e serviços buscando a garantia do desenvolvimento integral da criança.

Advogados podem se inscrever para concorrer à vaga de juiz suplente do TRE-RN



O Tribunal de Justiça do RN reabriu o período de inscrições para os advogados interessados em concorrer à vaga de juiz suplente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RN), na classe de jurista, em face do término do 1º biênio do advogado Herbert Oliveira Mota.

Os interessados deverão fazer suas inscrições no 4 a 8 de julho, na Secretaria Geral do TJRN, por meio de requerimento dirigido ao presidente do Tribunal. O aviso aos advogados foi veiculado na edição do Diário da Justiça Eletrônico do dia 28 de junho.

A reabertura do prazo se deu devido ao número insuficiente de interessados para formação de lista tríplice no primeiro prazo estabelecido. (Com informações da Assessoria de Imprensa do TJRN)

terça-feira, 19 de abril de 2016

Vigência do novo código de ética é adiada para adaptação das seccionais



Em sessão plenária realizada na última terça-feira (12), o Conselho Pleno da OAB Nacional decidiu, por maioria, adiar para 1º de setembro o início da vigência do novo Código de Ética da Advocacia.

A ideia é possibilitar às seccionais um tempo maior de adaptação, visto que o início da vigência estava previsto para maio.

Por decisão do Conselho Pleno, a diretoria nacional da OAB orienta as seccionais a abrir consulta para analisar possíveis questionamentos. Nos próximos dias, uma resolução será elaborada para regulamentar o novo prazo.

Para o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, é necessário que a advocacia e a própria Ordem convivam e enfrentem as eventuais dúvidas que o código possa trazer. “As dificuldades sempre existem quando se edita uma nova legislação, sobremaneira quando se trata do Código de Ética de uma classe que reúne quase um milhão de profissionais. É papel da OAB enfrentá-las para que se aprimorem ao longo da vigência, pois assim acontece com qualquer lei”, ponderou.

No plenário, a relatoria foi do conselheiro Alessandro de Jesus Uchôa de Brito (AP), que em seu voto destacou a “complexidade das questões levantadas por São Paulo”, que ensejam, na visão dele, “a necessidade de um debate mais profundo”. Do mesmo modo, o conselheiro Ricardo Batochio (SP) lembrou que, somente em São Paulo, há mais de 150 mil processos ético-disciplinares em trâmite.

A questão nasceu no Tribunal de Ética e Disciplina da OAB São Paulo, cujo presidente, Fernando Calza de Salles Freire, enviou questionamentos quanto à aplicabilidade de dispositivos e sugestão de alteração das regras de competência.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Eleita a nova diretoria do Conselho Federal da OAB



O advogado gaúcho Claudio Pacheco Prates Lamachia foi eleito presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e comandará a entidade, que reúne 945 mil advogados em todo o País, nos próximos três anos.

A votação, que se deu com chapa única, ocorreu em sessão solene do Colégio Eleitoral, formado pelos conselheiros federais eleitos para o triênio 2016-2019. O voto é individual e secreto. A sessão foi conduzida pela decana do Conselho Federal, Cléa Carpi da Rocha.

Lamachia é o primeiro advogado atuante no Rio Grande do Sul a presidir a entidade em seus 85 anos de existência. Em seu discurso de posse ele assegurou que a entidade manterá uma permanente busca de valorização aos honorários advocatícios e uma defesa intransigente das prerrogativas profissionais. Em sua trajetória pela OAB ele foi duas vezes presidente da OAB-RS, entre 2007 e 2012; na reeleição, em 2009, ele teve 82% dos votos. Em 2012, em pesquisa nacional, foi o presidente melhor avaliado entre todas as 27 seccionais do País: 93% de aprovação da classe.

O novo presidente afirmou também que a OAB estará, mais do que nunca, atenta aos anseios da sociedade, em uma cruzada contra a corrupção e o mau uso das verbas públicas. “A OAB não deixará, de maneira alguma, de lutar por um novo patamar ético na política brasileira e cobrará do governo e do Congresso medidas efetivas no combate ao fisiologismo e as concertações de gabinetes. Sem bandeiras partidárias, defendendo o interesse da sociedade e respeitando a Constituição, estaremos mais atentos e atuantes do que nunca. É o que a sociedade espera de nós. Esse é o nosso compromisso”, prometeu Lamachia.

Conforme determina o Estatuto da Advocacia e o Regulamento Geral da OAB, participaram da votação os 81 conselheiros federais – representando os 26 estados e o Distrito Federal.

Os integrantes da nova diretoria da OAB Nacional e os conselheiros federais serão empossados nesta segunda-feira (1º), às 9h, em cerimônia administrativa no plenário do Conselho. Compõem também a chapa eleita para o triênio 2016/2019 Luis Cláudio Chaves (MG) como vice-presidente; Felipe Sarmento (AL) como secretário-geral; Ibaneis Rocha (DF) como secretário-geral adjunto; e Antonio Oneildo Ferreira (RR), que permanece na função de diretor-tesoureiro.

Confira o currículo dos demais diretores do Conselho Federal da OAB:

Luís Cláudio Chaves (vice-presidente):

Na seccional mineira foi assessor da Caixa de Assistência dos Advogados, presidente da OAB/Jovem, conselheiro suplente, conselheiro titular, presidente da Comissão de Exame de Ordem, diretor tesoureiro, vice-presidente e presidente de 2010/2012. Foi presidente da OAB-MG nas gestões 2010/2012 e 2013/2015. No âmbito do Conselho Federal, na gestão 2013/2016, foi membro da Comissão Especial para Elaboração do Selo OAB; presidente da Comissão Especial de Direito de Família e Sucessões; e membro da Comissão Especial sobre o Desastre Ambiental de Mariana/MG e consequências.



Felipe Sarmento (secretário-geral):

Na gestão 2007/2010 do Conselho Federal, Felipe Sarmento foi membro da Comissão Nacional de Apoio aos Advogados em Início de Carreira e da Comissão Especial de Defesa do Quinto Constitucional e Aprimoramento do Judiciário. Na gestão 2010/2013 integrou a Comissão Especial de Precatórios e a Comissão Especial de Defesa do Quinto Constitucional e Aprimoramento do Judiciário. Na gestão 2013/2016 atuou como Presidente do FIDA - Conselho Gestor do Fundo de Integração e Desenvolvimento Assistencial dos Advogados e presidiu a Comissão Especial de Gestão Participativa e Descentralização Administrativa.



Ibaneis Rocha (secretário-geral adjunto):

Foi vice-presidente da OAB-DF no período de 2008/2009. Ocupou o cargo de Secretário-Geral da Comissão Nacional de Prerrogativas do Conselho Federal da OAB na gestão 2007/2010. Foi eleito Presidente da OAB-DF para o triênio 2013/2015. Na gestão 2013/2016, no Conselho Federal da OAB, foi membro da Comissão Especial de Defesa dos Honorários da Advocacia Pública; no âmbito da Seccional brasiliense, presidiu a Comissão de Direitos Humanos e também a Comissão de Prerrogativas Profissionais.



Antônio Oneildo Ferreira (diretor-tesouireiro):

Foi eleito presidente da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil de Roraima por quatro mandatos consecutivos (2001/2003, 2004/2006, 2007/2009 e 2010/2012). Foi presidente da comissão que analisou e emitiu parecer sobre projeto de lei complementar que criou, organizou e estruturou a Defensoria Pública do Estado de Roraima, além de ter atuado como membro de importantes comissões da OAB/RR, como de Defesa dos Direitos e Prerrogativas Profissionais e dos Direitos da Criança e do Adolescente. Foi diretor tesoureiro do CFOAB e do FIDA Conselho Gestor do Fundo de Integração e Desenvolvimento Assistencial dos Advogados na gestão 2013/2016



Por: Assessoria do Conselho Federal da OAB

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Empregador é absolvido de pagar diferenças a empregada doméstica com jornada reduzida


A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a legalidade do pagamento de salário mínimo proporcional a uma empregada doméstica que trabalhava em jornada reduzida, de três vezes por semana. Segundo o empregador paulista, o ajuste previa uma jornada diferenciada, com o salário proporcional aos dias trabalhados no mês. No total, eram 12 dias de trabalho mensais – correspondente a 24 horas semanais ou 96 mensais.

A empregada, que afirmou na petição inicial que trabalhava três vezes por semana das 8h às 17h, com uma hora de intervalo, foi admitida em dezembro de 2007 e dispensada em julho de 2009. Ela alegou que seu salário mensal inicial era de R$ 350, quando o salário mínimo era de R$ 380.

Em sua defesa, o empregador sustentou que é lícito o pagamento do salário mínimo proporcional ao tempo trabalhado, e que o salário mínimo integral é para quem trabalha oito horas diárias - 44 semanais ou 220 mensais. Antes da decisão do TST, a primeira e a segunda instâncias julgaram que a trabalhadora deveria receber o salário mínimo integral e determinaram o pagamento das diferenças.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) entendeu que o inciso IV do artigo 7º da Constituição da República garante ao trabalhador, como menor contraprestação, o salário mínimo, pressupondo que seja o necessário para suprir as necessidades vitais básicas. Por isso, não admitiu o pagamento inferior ao mínimo nacional, ainda que a jornada de trabalho fosse em regime parcial.

Mas a relatora do recurso de revista, ministra Delaíde Miranda Arantes, avaliou que a decisão regional contrariava a Orientação Jurisprudencial 358 da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1), que considera lícito o pagamento do salário mínimo proporcional ao tempo trabalhado quando a jornada é inferior à previsão constitucional de oito horas diárias ou 44 semanais. Ela ressaltou que a jurisprudência do TST se firma no sentido de que essa OJ se aplica aos trabalhadores domésticos, citando julgados das Sexta, Sétima e Oitava Turmas com esse mesmo entendimento.

Por unanimidade, a Segunda Turma proveu o recurso do empregador, absolvendo-o da condenação ao pagamento das diferenças salariais.

(Lourdes Tavares/CF)


O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1).
Fonte: TST

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

O Ministério Público do RN abrirá concurso para nível médio e superior

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MP/RN) anunciou, por meio de nota publicada em seu site oficial, que realizará concurso público, ainda no segundo semestre, para o preenchimento de 19 vagas iniciais, sendo 14 para o cargo de técnico na área administrativa, além de cinco para analistas, com duas para a especialidade de engenharia civil e três para contabilidade. Para concorrer a técnico é necessário possuir ensino médio e para analistas, nível superior nas respectivas áreas.

Para os técnicos, a remuneração inicial será de R$ 4.098,78, incluindo salário de R$ 2.898,78, R$ 200 de auxílio-saúde e R$ 1.200 de auxílio-alimentação. Já os analistas, ingressam recebendo R$ 5.370,93, incluindo salário de R$ 3.970,93, R$ 200 de auxílio-saúde e R$ 1.200 de auxílio-alimentação.

A comissão organizadora, já instituída, tem como presidente o procurador de justiça Luiz Lopes de Oliveira Filho, que já está iniciando os procedimentos para a escolha da banca organizadora.

A aplicação das provas está prevista para ocorrer em novembro.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

TRT-RN realiza novo leilão nos dias 15 e 16 de junho

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN), através da Central de Apoio à Execução (CAEx), vai realizar nos dias 15 e 16 de junho o segundo leilão de 2015 com bens penhorados na CAEx e nas varas do trabalho de Natal, Assú, Goianinha, 3ª e 4ª de Mossoró para pagamento de dívidas trabalhistas.

O leilão será presidido pelo juiz do trabalho Cacio Oliveira Manoel, no Pleno do TRT-RN, no horário das 8h às 16h, e os lances podem ser apresentados na forma presencial, durante o pregão, no edifício sede do tribunal ou on line.

Os licitantes que desejarem participar do leilão na forma eletrônica deverão aderir às regras do sistema de Hasta Eletrônico que foram divulgadas no sitio do TRT 21ª Região (www.trt21.jus.br) e publicadas no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho por meio do Provimento TRT/CR nº 004/2011.

Dentre os bens penhorados, destacam-se máquinas, computadores, equipamentos de escritório, condicionadores de ar e diversos ônibus da Viação Riograndense LTDA que deixou de operar linhas urbanas em agosto de 2012. Os bens arrematados vão ajudar a cumprir o valor da execução que chega a 2.724.048,00 (dois milhões, setecentos e vinte e quatro mil e quarenta e oito reais).

Além dos bens Viação Riograndense LTDA, será leiloado um imóvel pertencente à Companhia de Processamento de Dados do RN (Datanorte), avaliado em R$ 2.756.250,00 (dois milhões, setecentos e cinquenta e seis mil e duzentos e cinquenta reais), e que terá lance mínimo de R$1.378.125,00 (um milhão, trezentos e setenta e oito mil e cento e vinte e cinco reais).

Confira outros bens que serão leiloados nos dias 15 e 16 de junho:

-1(uma) Casa residencial, situada à Avenida Presidente Café Filho, número 886, Praia do Meio, cujo terreno mede 262,50m2, imóvel que funciona o hotel Beira-Mar, possuindo 22 quartos, com vista para o mar, e aproximadamente 550m2 de área construída, com dois pavimentos superiores e um térreo, avaliado em $2.000.000,00 (dois milhões de reais); lanço mínimo: R$1.000.000,00 (um milhão de reais).

- 01(uma) Casa residencial, situada à Av. Dr. Solon de Miranda Galvão, lado par, do tipo C-2, com 114,78m² de área construída, esquina com Av. Professor Olavo Montenegro, integrante do Conjunto Residencial dos Professores da UFRN, no bairro de Lagoa Nova. A casa é composta dos seguintes cômodos: duas salas, três quartos(todos com banheiro), lavabo, cozinha, área de serviço,garagem para três carros e banheiro externo. Casa inteira com piso porcelanato e piscina na parte dos fundos. Imóvel avaliado em R$500.000,00 (quinhentos mil reais); lanço mínimo: R$250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais).

- 01(um)Prédio situado à Rua dos Tororós, lado par, distando 24,00m da Av.Jerônimo Câmara, Conj. Residencial Lagoa Nova II, Bairro Dix Sept Rosado, contém: 03 quartos, sendo 1 suíte, 3 banheiros, cozinha, 01 sala, área de serviço, garagem, piscina, churrasqueira, em bom estado de conservação, avaliado em R$200.000,00 (duzentos mil reais); lanço mínimo: R$100.000,00 (cem mil reais).

- 08(oito)Postes de concreto armado, usados para construção civil, padrão Cosern, medindo 11m X 600kg de carga nominal, avaliado em R$7.200,00 (sete mil e duzentos reais); lanço mínimo:R$2.160,00 (dois mil e cento e sessenta reais).

-01(um)Lote de terreno, designado lote 04, da quadra 02, integrante do desmembramento denominado de "Genipabu a Ver o Mar", situado na Praia de Genipabu, avaliado em R$120.000,00 (cento e vinte mil reais); lanço mínimo: R$60.000,00 (sessenta mil reais).

- 01 (um) Terreno, (parte de um todo), no alinhamento da AV. Alberto Maranhão, no Bairro Barrocas, Mossoró/RN, medindo 122,00m de largura na frente, 122,00m de largura nos fundos, por 679,00m de comprimento de ambos os lados, avaliado em R$6.000.000,00 (seis milhões de reais); lanço mínimo: R$3.000.000,00 (três milhões de reais).

-01(um) Imóvel com edificação de prédio comercial situado na Rua Sebastião Benigno de Moura, 179, aeroporto, com área de construção de 1.630m² edificado em terreno próprio com área de 4.400m² de superfície, avaliação: R$1.800.000,00 (um milhão e oitocentos mil reais); lanço mínimo: R$900.000,00 (novecentos mil reais).

-01(um)Imóvel Rural denominado "Fazenda São Miguel", encravada no município de Angicos/RN, medindo uma área total de 5.783,445he (cinco mil setecentos e oitenta e três vírgula quatrocentos e quarenta e cinco hectares). Possuindo as seguintes benfeitorias: aproximadamente 30(trinta) modestas casas de alvenaria, algumas habitadas outra não, 07(sete) Galpões sem utilização, 03(três) imóveis onde funcionava a parte administrativa da fazenda, 01(um) Curral e 01(um) Açude, avaliada R$3.000.000,00 (três milhões de reais); lanço mínimo: R$1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais).

Fonte: Ascom - TRT/21ª Região 

No Twitter, perfil do TJRN é o mais seguido entre tribunais estaduais do Norte e Nordeste



O perfil do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte na rede social Twitter, o @tjrnnoticias continua a ser o mais seguido entre os tribunais estaduais das regiões Norte e Nordeste do Brasil.

Com mais de 17 mil seguidores, o TJ potiguar está à frente dos congêneres de Pernambuco, Paraíba, Amapá e Bahia, respectivamente segundo, terceiro, quarto e quinto lugares.

Na sequência estão os perfis dos tribunais de Alagoas, Tocantins, Roraima, Ceará, Acre, Amazonas, Sergipe e Piauí.

A rede foi criada em 21 de março de 2006 em São Francisco, Estados Unidos, por Jack Dorsey, Evan Williams, Biz Stone e Noah.

Aprovada no Rio Grande do Norte a primeira normativa estadual do PJe no Brasil

Em portaria conjunta do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte e Corregedoria de Justiça do TJ-RN, publicada nesta quinta-feira (21), o Processo Judicial Eletrônico (PJe) passa a ter a primeira normativa estadual no Brasil.

A normativa foi proposta pelo presidente da Comissão de Tecnologias da Informação da OAB-RN, Hallrison Dantas, e após muitas discussões, foi aprovada pelo Comitê Gestor do PJe na Justiça estadual.

A Portaria nº09/2015 traz importantes conquistas para a advocacia. A partir de agora, voltam às publicações ao Diário da Justiça Eletrônico (DJe). No mesmo dia da publicação no Dje a intimação é lançada também no painel de intimações do PJe. Os advogados passam a ter ciência do inteiro teor das decisões, mas o prazo continua a seguir a regra dos 10 dias, o que —na prática — aumenta em 10 dias todos os prazos processuais no Estado, favorecendo a advocacia.

Outra conquista é a indisponibilidade múltipla. Se o PJe paralisar, serão devolvidos ao prazo corrente a integralidade do tempo parado, não apenas a prorrogação do último dia do prazo. Se parar dois dias, por exemplo, esse prazo será devolvido ao prazo, integralmente. Além da indisponibilidade pontual, que é aquela que ocorre com qualquer indisponibilidade superior a 20 minutos. Se o sistema ficar indisponível por 20 minutos seguidos, a qualquer momento do expediente, o advogado poderá lançar mão do peticionamento físico, usando os distribuidores dos fóruns.

Na normativa o pingdom se torna oficialmente o controle externo de disponibilidade, mantido pela OAB-RN e haverá também os perfis VIP no controle do Pje. Cada nova versão sofrerá teste drive da OAB—RN antes de sua adoção, e cinco advogados do Estado terão acesso direto e prioritário ao sistema de atendimento aos problemas do PJe, podendo declarar instabilidades no sistema. Já as certidões de indisponibilidade tem que estar publicadas em no máximo até 20 minutos da ocorrência do problema, certificadas digitalmente.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Eleição do MPRN terá como pauta vaga do Quinto para o TJRN


A eleição para o cargo máximo do MPRN divulgada para acontecer em Abril terá um assunto a mais na pauta: a futura vaga a ser aberta para o Ministério Público no TJRN, com a aproximação da aposentadoria da desembargador Judite Nunes.

A disputa está colocando frente a frente o atual PGJ, Rinaldo Reis, e o ex-PGJ, Onofre Lopes.

Segundo fontes do Justiça em Pauta, Rinaldo tem como meta eleger o promotor João Vicente Silva para a vaga de Judite. Já Onofre quer a vaga para projeto pessoal. Quem vencer a disputa para a chefia do MPRN deverá ficar com a vantagem.

Além das duas candidaturas já cotadas, o promotor Giovanni Rosado também estaria planejando concorrer à vaga do TJRN.

TJRN abre cadastro inédito para servidores efetivos ocuparem 50% dos cargos comissionados

A Presidência do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte abriu, pela primeira vez, um cadastro para que servidores efetivos do Poder Judiciário se candidatem para ocupar cargos comissionados com a inscrição dos seus currículos.

O objetivo é garantir o preenchimento de pelo menos 50% dos cargos comissionados da Justiça Estadual por funcionários do quadro do TJRN, como determina Resolução 88 do CNJ.

Para tornar possível a prática, será criado um Cadastro de Reserva, exclusivamente para a inscrição de servidores que desejam, por livre iniciativa, trabalhar na assessoria de processos judiciais nas primeira e segunda instâncias.

A determinação do presidente do TJ, desembargador Claudio Santos, está estabelecida na Portaria 401/2015-TJ, de 23 de fevereiro de 2015. As nomeações serão limitadas a 50% das vagas e não resultarão em aumento de despesa com pessoal, isto porque deverão ser substituídos os não efetivos ocupantes de cargos comissionados, até o limite previsto.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Lúcia Jales é a candidata da OAB-RN para lista sêxtupla da vaga de desembargador do TRF5

Definido o apoio da OAB-RN para vaga de desembargador federal do TRF5 destinada ao Quinto Constitucional.

A advogada Lúcia Jales é a candidata da Seccional potiguar para compor a lista sêxtupla que será definida na sessão do dia 3 de fevereiro do Conselho Federal da OAB.

O presidente da OAB-RN Sérgio Freire já comunicou sua escolha a diretoria do Conselho Federal da OAB e oficializou o nome de Lúcia Jales durante reunião nesta segunda-feira (26) com os conselheiros federais do Rio Grande do Norte.

O apoio da Seccional potiguar é considerado emblemático pelo fato de Lúcia Jales ser um dos nomes considerados como de oposição à atual gestão, tendo em vista que ela postulou a Presidência e a Vice-Presidência da OAB-RN nas últimas eleições.

O outro candidato do Rio Grande do Norte para vaga de desembargador federal do TRF5 é o advogado José Rossiter que, mesmo tendo seu nome preterido pela OAB-RN, permanece na disputa.

- See more at: http://jurinews.com.br/2015/01/26/lucia-jales-e-a-candidata-da-oab-rn-para-lista-sextupla-do-trf5/#sthash.jbSEc3Bt.dpuf

Juiz Cornélio Alves deverá ser o novo desembargador do TJ-RN

A vaga de desembargador do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, decorrente da aposentadoria de Aderson Silvino, deverá ser ocupada pelo juiz Cornélio Alves.

O magistrado vai participar da lista de promoção pela terceira vez e já é tido como o novo desembargador da Corte potiguar.

Ao que tudo indica, Cornélio Alves terá maioria na votação entre os desembargadores para a promoção pelo critério de merecimento.

A data da sessão de escolha do novo desembargador do TJ-RN será definida nos próximos dias.


quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Abertas as inscrições para a I Conferência Nacional do Jovem Advogado


A I Conferência Nacional do Jovem Advogado, que acontecerá entre 19 e 20 de março de 2015 em Porto Seguro (BA), está com a programação definida e o período de inscrições aberto. Até o dia 31 de janeiro, é possível realizar inscrições a R$ 50 para estudantes e R$ 100 para advogados e outros profissionais, preços que subirão, respectivamente, para R$ 75 e R$ 150 a partir de 1º de fevereiro.

Há descontos para grupos de, no mínimo, 15 participantes. A programação envolve palestras e workshops sobre temas como oratória jurídica, novo Código de Processo Civil (CPC), remuneração da advocacia em início de carreira, Supersimples, sociedade de advogados, entre outros focos de abordagem.

O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, entende que a valorização do advogado em início de carreira é fundamental para o fortalecimento da advocacia. “Uma das missões institucionais da OAB é melhorar o ambiente para esses profissionais. Tanto a diretoria nacional da Ordem como todas as seccionais têm um olhar especial aos jovens advogados”, afirmou.

Recentemente, por ocasião de reunião ordinária de seu Colégio de Presidentes, a OAB aprovou a criação do Plano Nacional de Apoio ao Jovem Advogado Brasileiro, um documento que apresenta propostas para fortalecer o ensino jurídico no país, a defesa das prerrogativas e políticas de anuidades diferenciadas. O documento deverá ser concluído ainda este ano.

INFORMAÇÕES GERAIS

Entre os dias 19 e 20 de março de 2015, o Centro de Convenções do município de Porto Seguro (BA) será o palco da I Conferência Nacional do Jovem Advogado, realizada pela OAB Nacional em parceria com a seccional baiana da Ordem e com a subseção de Porto Seguro. O tema da primeira edição do evento será “Empreendedorismo Jurídico e Cidadania”. O objetivo é debater as demandas e expectativas dos advogados em início de carreira, bem como orientá-los, ouvi-los e prepará-los para o mercado de trabalho.

Acesse o site exclusivo do evento e faça sua inscrição, além de ter acesso à programação, aos valores, pacotes de viagem e demais informações.



Por: Assessoria do Conselho Federal da OAB

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

OAB/RN emite nota sobre indicativo de greve dos servidores do TJ/RN


A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte emitiu na manhã desta quinta-feira (15) nota a respeito da preocupação com o impacto que o indicativo de greve dos servidores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte pode gerar.

Segue nota na íntegra:

NOTA

A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte vem a público externar preocupação com o indicativo de greve dos servidores do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte para o dia 21 de janeiro, bem como com o impacto que a paralisação deve gerar para os jurisdicionados e advogados.

Já se observa a ocorrência de uma “operação tartaruga”, inclusive, com a recusa do fornecimento de certidões como, por exemplo, para interposição de recursos e atos processuais imbuídos de prazo.

Considerando tal situação, a OAB/RN solicitou ao Tribunal que os atos processuais que dependam das referidas certidões sejam recebidos pela Corte, até que se retome a normalidade dos atendimentos e diligências junto às secretarias, com o consequente prazo para a juntada posterior, pediu, ainda, a suspensão dos prazos processuais, pelo mesmo período que perdurar o movimento, para evitar prejuízos aos advogados/jurisdicionados.

Mesmo sendo conhecedora de que o presente conflito é de ordem interna da Corte, a OAB/RN se coloca à disposição para contribuir com o debate e sugerir soluções para que as medidas administrativas anunciadas pelo Tribunal de Justiça não prejudiquem o trabalho da advocacia e os direitos da população. O Estado de Direito que todos nós buscamos e defendemos precede de atitudes positivas, devendo predominar a Justiça para todos.



ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL
SECCIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE



Por: OAB/RN

TJRN aciona TCE para viabilizar reajuste a magistrados

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador Cláudio Santos, deu entrada no pedido de embargo de declaração junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) solicitando a revisão da decisão do conselheiro Gilberto Jales que impede reajuste salarial no Judiciário. O embargo foi entregue na manhã de hoje (16).

Carlos Thompson e Cláudio Santos tiveram encontro na manhã de hoje


O desembargador esteve com o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), conselheiro Carlos Thompson, para uma visita de cortesia e também para entregar formalmente o pedido de embargo de declaração. O objetivo de Cláudio Santos é que os demais conselheiros do TCE revertam a decisão de Gilberto Jales, que atendeu pedido do procurador-geral de Contas, Luciano Ramos. 

Com a decisão do TCE em vigor, o presidente do TJRN está impedido de promover o reajuste automático aos juízes e desembargadores do Rio Grande do Norte, apesar da autorização do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que permitiu o aumento aos judiciários de todo o Brasil sem a necessidade de consulta à Assembleia Legislativa. A decisão do CNJ, inclusive, não é unanimidade no meio jurídico, mas Cláudio Santos quer reverter a medida do TCE e implementar o aumento. 

No entendimento do desembargador, o aumento os magistrados é necessário para manter a isonomia do Poder Judiciário em todo o Brasil. Além disso, o desembargador entende que as medidas que vêm sendo implementadas dentro do Judiciário contribuirão para que o TJRN se mantenha dentro do limite que rege a Lei de Responsabilidade Fiscal. O conteúdo completo do embargo de declaração, contudo, ainda não foi divulgado.

O aumento no salário dos 15 desembargadores e de aproximadamente 200 juízes que compõem o Judiciário estadual está previsto desde que o Congresso Nacional aprovou, em dezembro passado, o reajuste nos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o que resulta no aumento dos subsídios de toda a magistratura nacional. Porém, no Rio Grande do Norte, o reajuste de 14% não foi implementado porque o TJRN já havia chegado ao limite prudencial da LRF.

Fonte: Tribuna do Norte

Presidente do TJRN ameaça demitir grevistas

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), desembargador Claudio Santos, pretende endurecer o posicionamento contra os servidores que aderirem à greve marcada para iniciar na próxima quarta-feira (21). Na manhã de hoje (16), o desembargador anunciou que vai pedir a ilegalidade da paralisação e demissão por abandono de emprego daqueles que não comparecem ao local de trabalho.

Claudio Santos quer que greve seja considerada ilegal

"Caso a ilegalidade da greve seja confirmada pela Justiça, vou abrir procedimento para demissão por abandono de emprego. O corte nos salários também será estabelecido", disse Claudio Santos à TRIBUNA DO NORTE, explicando que o processo de demissão só é aberto caso os servidores continuam a faltar o trabalho mesmo após o corte do ponto.

O pedido de ilegalidade será protocolado junto à Procuradoria Geral do Estado (PGE) na próxima segunda-feira (19). Segundo o desembargador, a solicitação terá como argumento uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) definida em 2009 que proíbe a realização de greve em alguns serviços públicos, entre eles, a administração da Justiça. 

A greve dos servidores da Corte foi definida em assembleia extraordinária do Sindicato dos Servidores do Judiciário do Estado do Rio Grande do Norte (Sisjern) realizada na última quarta-feira (14). 

A paralisação começa no próximo dia 21, mas, de acordo com a Ordem dos Advogados do Brasil no Estado (OAB/RN), os efeitos da decisão já são sentidos nas repartições do TJRN devido a realização da "operação tartaruga" por parte dos servidores.

Fonte:Roberto Lucena, Repórter da Tribuna do Norte 

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Servidores decidem parar Justiça; TJRN apoia medidas

Os servidores do Poder Judiciário do RN vão parar seus trabalhos no próximo dia 21 (quarta-feira). Decisão tomada ontem em assembleia em Natal (veja postagem abaixo).

Eles vão deflagrar greve a partir da próxima semana. A decisão aconteceu após assembleia realizada pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sisjern) nesta quarta-feira (14).

Reagiram à posição consensual do plenário do TJRN, que hoje se reuniu e endossou medidas de cortes salariais e demissões de pessoal.

Os demais integrantes da Corte também aprovaram moção de desagravo ao presidente, Cláudio Santos. Na ótica deles, os manifestantes resolveram partir para o ataque à sua imagem, sem amparo em argumentos.

OAB/RN disponibiliza boletos da anuidade na internet



A Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte já disponibilizou os boletos da anuidade deste ano no endereço da instituição na internet, www.oabrn.org.br, no item Anuidade 2015. Os boletos também vão ser enviados aos inscritos por correio.

Os advogados que quitarem a anuidade em cota única até o dia 30 de janeiro terão com desconto de R$ 70,00 (setenta reais), restando à anuidade no valor de R$ 600,00 (seiscentos reais). Já para os estagiários, a importância de 50,00 (cinquenta reais), restando à anuidade no valor de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais).

Há ainda a opção de parcelamento da anuidade em 10 (dez) vezes iguais, mensais e consecutivas, sendo o primeiro vencimento no dia 30 de janeiro de 2015. Para o advogado, no valor individual de R$ 67,00 (sessenta e sete reais) e estagiário na importância de R$ 30,00 (trinta reais).

O advogado ou estagiário que até o dia 26 de janeiro não tiver recebido os boletos bancários para pagamento da anuidade de 2015 deve obter junto à Tesouraria da OAB/RN as segundas vias dos respectivos boletos ou diretamente site da OAB/RN, não se eximindo de pagar tempestivamente pelo não recebimento dos documentos de cobrança.

OAB/Mossoró sugere intermédio nos problemas que afetam o TJ/RN

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) anunciou no início desta semana uma série de medidas que serão adotadas para reduzir os gastos da instituição. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Mossoró, está preocupada com os possíveis prejuízos que estes atos podem trazer à população em virtude da exoneração de cargos comissionados. Por isso, a OAB/Mossoró enviou ofício à OAB/RN solicitando que esta atue como intermediária entre o Judiciário e o sindicato dos servidores, na tentativa de encontrar uma solução menos prejudicial.

O presidente da OAB/Mossoró, Aldo Fernandes, concorda que o Poder Judiciário do Rio Grande do Norte precisava realmente passar por modificações para melhorar a prestação do serviço jurisdicional. No entanto, o presidente da Subseção de Mossoró revela sua preocupação com as consequências dos atos anunciados esta semana pelo presidente do TJ/RN, desembargador Claudio Santos, como a exoneração de comissionados, redução dos terceirizados e a suspensão e extinção de gratificações. “Isso pode acarretar diretamente no serviço prestado à sociedade”.

Outra preocupação da OAB é com os próprios serventuários que serão afetados com estes atos administrativos. “Deve-se respeitar os direitos adquiridos”, alerta o advogado Aldo Fernandes, através do ofício enviado ao presidente da OAB/RN, Sérgio Freire. Por uma questão de hierarquia institucional, o intermédio entre o Judiciário e os servidores deve ser realizado por meio da Seccional do RN, que foi acionada por meio de ofício na segunda-feira passada. À imprensa, o presidente da OAB/RN já adiantou que está sendo analisada a hipótese sugerida pela Subseção.


JUSTIÇA PARA TODOS


Ao longo dos últimos anos, a OAB/Mossoró e a OAB/RN têm buscado alternativas para melhorar a qualidade dos serviços que são prestados àqueles que precisam recorrer à tutela jurisdicional do Estado. A intervenção da OAB neste problema que afeta os servidores e todos os norte-rio-grandenses tem como objetivo buscar a melhor solução, atendendo princípios e direitos assegurados pela Constituição Federal, como a celeridade processual e o acesso à justiça. O presidente Aldo Fernandes lembra que a OAB está apenas desempenhando sua função social.

Por Andrey Ricardo

Portador de Parkinson terá acréscimo de 25% em aposentadoria

A juíza da 2ª Vara da Fazenda Pública, Francimar Dias, determinou ao Instituto Nacional do Seguro Nacional (INSS) a imediata implantação do acréscimo de 25% na aposentadoria por invalidez de um portador de Parkinson, doença degenerativa e progressiva, que compromete as funções motoras. A decisão da magistrada foi publicada no Diário Oficial da Justiça do dia 13 de janeiro.

O autor da ação foi aposentado por invalidez desde o ano 2000 em função de incapacidade laborativa permanente irreversível. Em decorrência da enfermidade, adquiriu também depressão grave sem sintomas psicóticos.

No processo, ele afirma que, em virtude das enfermidades, necessita de assistência permanente de outra pessoa para os atos da vida diária. O acréscimo de 25% foi solicitado administrativamente em 30 de agosto de 2010, solicitação negada pelo INSS. Em 2012, fez novo requerimento, mais uma vez negado.

A magistrada que julgou a ação entendeu presentes os requisitos autorizadores da medida de urgência, diante dos argumentos levantados e das provas anexadas ao feito. “Deve-se reconhecer que a incapacidade da parte autora possui elementos que necessitam de assistência permanente de terceiros, sendo comprovada pelos documentos médicos (...), de maneira que é flagrante a necessidade do acréscimo de 25% em sua aposentadoria por invalidez”, assinalou Francimar Dias.

(Processo nº 0805320-75.2014.8.20.0001)

ESMARN divulga relação de magistrados que compõem a sua nova diretoria

A Escola da Magistratura do RN (Esmarn) divulgou a relação com os magistrados designados para integrarem a Diretoria da Escola durante o biênio 2015-2016. A Portaria nº 01/2015, assinada pelo novo diretor da Esmarn, o desembargador Vivaldo Pinheiro, foi publicada na edição do Diário da Justiça Eletrônico (DJe) desta segunda-feira (12).

Confira a relação da nova Direção da Escola da Magistratura do RN:



Diretor

Desembargador Vivaldo Otávio Pinheiro

Vice-Diretor

Desembargador Ibanez Monteiro da Silva

Coordenadora Administrativa

Juíza Patrícia Gondim Moreira Pereira

Coordenadora Administrativa Adjunta

Juíza Eliana Alves Marinho Carlos

Coordenadora do Curso de Formação Inicial

Juíza Sandra Simões de Souza Dantas Elali

Coordenador Adjunto do Curso de Formação Inicial

Juiz João Eduardo Ribeiro de Oliveira

Coordenadora dos Cursos de Formação Continuada

Juíza Keity Mara Ferreira de Souza e Saboya

Coordenador Adjunto dos Cursos de Formação Continuada para Vitaliciamento

Juiz Everton Amaral de Araújo

Coordenador Adjunto de Cursos de Formação Continuada para Promoção

Juiz Ricardo Tinoco de Góes

Coordenador dos Cursos de Formação de Servidores

Juiz Geraldo Antônio da Mota

Coordenador Adjunto dos Cursos de Formação de Servidores

Juiz Cícero Martins de Macedo Filho

Coordenadora de Pesquisa

Juíza Alba Paulo de Azevedo

Coordenadora Adjunta de Pesquisa

Juíza Ada Maria da Cunha Galvão

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

ESA: inscrições abertas para curso gratuito sobre Teoria Geral do PJE-JT

A Escola Superior de Advocacia da OAB/RN realizará curso telepresencial gratuito sobre Teoria Geral do Peticionamento Eletrônico na Justiça do Trabalho no dia 15 de janeiro, às 9h, no auditório da Caixa de Assistência dos Advogados - CAARN. As inscrições podem ser feitas na sede da ESA ou pelo e-mail esa@oab-rn.org.br, bastando encaminhar nome e telefone, e doar 2kg de alimentos não perecíveis para serem encaminhados à instituição de caridade. Agende-se e participe.

Curso Telepresencial - Transmissão via satélite

Tema: Teoria Geral do Peticionamento Eletrônico na Justiça do Trabalho

(PJE-JT)

Data: 15/01/2015

Horário: 9h

Local: Auditório da CAARN
Inscrições: 02kg de alimentos não perecíveis (podem ser entregues no dia do curso)
Informações: +55 (84) 2020-5917

CONTEÚDO
Exposição
Dr. Robson Ferreira

Objetivo
Permitir aos participantes conhecer os aspectos mais relevantes do uso do certificado digital para o peticionamento eletrônico na Justiça do Trabalho, através do novo sistema PJe-JT.

1. Fundamentos dos certificados digitais.
Introdução à certificação digital.
Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).
Documentos digitais e assinaturas digitais.

2. Preparação da petição e seus anexos em PDF.
Principais softwares para tratamento de arquivos em PDF.

3. Aspectos relevantes da Lei nº 11.419/2006 e da Resolução CSJT nº 94/2012 republicada.
Assinatura digital na Resolução nº 94.
Citações e intimações (intimação presumida).
Indisponibilidade do sistema.

4. Peticionamento eletrônico na Justiça do Trabalho – novo sistema PJe-JT.
Cadastramento do advogado.
Painel do advogado (acervo de processos e intimações).
Reclamação trabalhista.
Habilitação do advogado.
Contestação.

CNJ decide pela implantação de reajuste automático do subsídio dos magistrados dos TJs

Decisão do conselheiro Gilberto Valente Martins, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), determina que os tribunais de Justiça estaduais concedam reajuste automático do subsídio para os magistrados, no percentual de 14,6%, da mesma forma do que foi estipulado para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Relator do processo, Martins destaca o fato de decisão do Conselho acerca da questão já ter sido formatada, o que enseja dessa maneira a decisão proferida em sede de medida cautelar.

A requisição para a concessão do reajuste foi apresentada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). O conselheiro determinou de pronto aos tribunais estaduais de Justiça o reajustamento automático do valor do subsídio da magistratura estadual. O posicionamento do membro do CNJ também está amparado em julgamento do Pleno do Conselho Nacional de Justiça, realizado em 16 de dezembro de 2014.

Na oportunidade, o voto do relator deferindo parcialmente o pedido inicial, foi acompanhado por outros 9 conselheiros, para propor alteração da Resolução daquele órgão de controle externo Nº 13/2006, acrescendo ao artigo 11 desta norma, parágrafo único com a seguinte redação:

Parágrafo Único: Alterado, por lei federal, o valor do subsídio de Ministro do Supremo Tribunal Federal, os Tribunais de Justiça o adotarão, imediatamente, a contar de sua vigência para a magistratura da União, como referência para fins de pagamento do subsídio aos membros da magistratura estadual, extensivo a inativos e pensionistas, observado o escalonamento previsto no artigo 93, V, da CF.

Na defesa do pedido, a AMB salientou que o projeto de lei para efetivação do reajuste foi objeto de negociação com o Executivo, e aprovado pelo Congresso Nacional. A associação reiterou que os tribunais devem observar o ato do Conselho Nacional de Justiça. A decisão foi proferida nessa terça-feira (13).



Pedido de Providências Nº 0006845-87.2014.2.00.0000 - CNJ

TJRN

Desembargadores apoiam medidas adotadas para conter gastos no Judiciário do RN


Durante a sessão de hoje (14), do Pleno do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, os desembargadores externaram seu apoio às medidas de contenção de despesas e diminuição de custos adotadas pela administração do desembargador Claudio Santos, anunciadas na sexta-feira (7). Além disso, os magistrados de Segundo Grau fizeram questão de frisar solidariedade à família do presidente do TJRN, e repudiaram tentativas de levar o debate sobre a questão para o lado pessoal ou de ataques verbais a atual gestão do Poder Judiciário do Rio Grande do Norte.

A moção de solidariedade ao presidente do Tribunal, desembargador Claudio Santos, apresentada pelo colega e corregedor geral da Justiça, Saraiva Sobrinho, foi acompanhada à unanimidade pelos demais pares da Corte, a exceção do próprio dirigente do Tribunal, que absteve-se de votar.

O desembargador Saraiva Sobrinho ressaltou que acredita na capacidade do desembargador Claudio Santos e que as medidas são no sentido de equacionar a adminstração do TJ potiguar. O posicionamento do magistrado, no decorrer da parte administrativa da sessão, foi acompanhado pelos desembargadores. Entre os quais, o vice-presidente, Amílcar Maia, que também prestou solidariedade ao presidente do Tribunal.

A argumentação de Saraiva enfatiza que o caminho do enfrentamento sem propostas não contribui para a melhoria da instituição.

A sessão contou com a presença de vários servidores da Justiça Estadual.

TJRN

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

CNJ garante férias a advogados

Por apertado placar, 8 x 6, o CNJ decidiu na tarde desta terça-feira, não sem muitos debates, que os Tribunais têm autonomia administrativa para resolver a data do recesso de fim de ano. 
Na prática, o Conselho Nacional de Justiça permitiu que as Cortes estaduais, as quais muitas já haviam até deliberado, decidissem quanto à suspensão do prazo no mês janeiro, o que garante as tão sonhadas férias dos causídicos.
Mas atenção! Só haverá férias para os advogados nas Cortes que decidiram, ou nas que vierem a decidir quanto à suspensão dos prazos em janeiro.  
O que estava na pauta hoje era um pedido do MP/DF contrário ao provimento do TJ/DF que - atendendo justo pedido da OAB/DF - suspendeu os prazos em janeiro. A propósito, não só o do DF, como muitos outros Tribunais já tinham deliberado conceder o período de descanso aos causídicos.
Antes, no entanto, que o CNJ deliberasse quanto ao pedido do parquet do Distrito Federal, a corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, baixou spontepropria a recomendação 17/14 para que os Tribunais observassem uma vetusta resolução do próprio CNJ (8/05) que a seu ver proibia a suspensão dos prazos. Tal recomendação gerou novo pedido ao CNJ, desta vez promovido pelo Conselho Federal da OAB, para que fosse suspensa a eficácia do malfadado ato recomendatório (PP 0006538-36.2014.2.00.0000).    
Hoje, o CNJ se debruçou concomitantemente tanto sobre o pedido do MP/DF quanto sobre o pedido de providências da OAB
O relator, conselheiro Gilberto Valente Martins, votou contra as férias. Na sequência, o conselheiro Emmanoel Campelo divergiu.
Oito conselheiros acompanharam a divergência aberta pelo conselheiro Emmanoel Campelo, para quem a suspensão dos prazos processuais é matéria de atribuição dos próprios Tribunais. Seguiram Campelo os conselheiros: Paulo Teixeira, Gisela Gondin Ramos, Fabiano Silveira, Maria Cristina Peduzzi, Flavio Sirangelo, Deborah Ciocci, e Ricardo Lewandowski.
Em seu voto Emmanoel Campelo lembrou que, no julgamento do PCA 5740-12, o plenário do CNJ decidiu que os Tribunais podem determinar a suspensão dos prazos processuais, desde que justificadamente. 
Os conselheiros que acompanharam a divergência argumentaram ainda que a referida suspensão não se trata de suspensão da atividade jurisdicional ou férias de magistrados. "Não estamos diante do gozo do direito de férias por parte dos magistrados, durante esses oito dias úteis a atividade jurisdicional não será interrompida", declarou o conselheiro Fabiano Silveira.
Último a votar, o ministro Lewandowski destacou ainda que a resolução 8/05 "admite, ainda que implicitamente, que os tribunais têm autonomia para suspender, mais que os prazos processuais, as atividades forenses".
Legislativo
Vencido, o relator do PCA, conselheiro Gilberto Valente Martins, registrou que o tema deveria ser tratado pelo Legislativo e não por meio de deliberação do Conselho. Isso porque a CF prevê em seu art. 93, inciso XII, que "a atividade jurisdicional será ininterrupta, sendo vedado férias coletivas".
Para Martins, "a suspensão de grande parte da atividade jurisdicional não é compatível com a Constituição". No mesmo sentido votaram Luiza Frischeisen, Nancy Andrighi, Guilherme Calmon, Saulo Casali Bahia e Rubens Curado.
"A suspensão de prazos nos tribunais representaria mais uma hipótese que não está inserida na nossa legislação", afirmou Guilherme Calmon.
Recomendação
Autora da recomendação 17/14, a corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, ponderou em seu voto que não é pessoalmente contra as férias dos advogados. Ela asseverou que "existe uma resolução do CNJ que estabelece o que é recesso".
"Não sou contra as férias dos advogados (...) mas eu não posso dar o exemplo negativo nessa hora."
A ministra defendeu que tal modificação só pode ser feita por meio de lei. 
"Se precisa de uma lei, não é por acordo ou por deliberações dos tribunais, que nós vamos decidir sobre a suspensão dos prazos peremptórios."
Atenção
Como dito alhures, as férias dos advogados somente existem nos Tribunais que assimdecidiram, ou nos que vierem a decidir. Convém ao diligente migalheiro, bem por isso, consultar os Tribunais e obter os respectivos provimentos.